Ucrânia saúda medida para encerrar intervenção militar

O presidente ucraniano Petro Poroshenko saudou nesta terça-feira a decisão de seu homólogo russo, Vladimir Putin, de revogar a intervenção militar na Ucrânia, segundo declaração publicada em seu site.

Agência Estado

24 de junho de 2014 | 09h09

Neste terça-feira, Putin pediu ao Parlamento que revogue sua autorização para o uso de forças militares na Ucrânia, um passo importante na direção da redução da crise.

Poroshenko disse que considera o pedido de Putin "o primeiro passo prático" após a declaração de seu apoio formal ao plano de paz ucraniano.

A medida foi anunciada um dia depois de separatistas pró-Rússia do leste da Ucrânia terem concordado com o cessar-fogo unilateral declarado pelo governo até o final da semana, ação que pode levar a conversações de paz com o objetivo de encerrar a rebelião, que já dura dois meses.

Líderes ocidentais têm pedido a Putin que adote medidas para acalmar a situação no leste da Ucrânia ao pressionar os separatistas a baixarem suas armas. Caso contrário, a Rússia pode sofrer pesadas sanções.

Putin

O porta-voz Dmitry Peskov disse que Putin escreveu ao presidente da Câmara Alta do Parlamento russo pedindo a retirada de seu pedido de 1º de março, no qual solicitava aprovação para o uso da força na Ucrânia.

Putin havia feito o pedido ao Parlamento depois da deposição de Viktor Yanukovich, presidente ucraniano pró-Rússia, em fevereiro após meses de protestos de rua. Em março, a região da Crimeia, no Mar Negro, foi anexada pela Rússia após ter sido tomada por tropas que, posteriormente, Putin admitiu serem das Forças Armadas de seu país.

A decisão do presidente russo foi tomada pouco antes de uma visita que ele fará ainda nesta terça-feira a Viena, onde vai se reunir com autoridades da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) que ajudam a estabelecer negociações de paz entre Kiev e Moscou.

Cessar-fogo

O cessar-fogo no leste ucraniano parecia estar sendo respeitado nesta terça-feira. Os soldados do posto de verificação em Dovhenke, 50 quilômetros ao norte do reduto rebelde de Slovyansk, foram vistos relaxando próximos às barricadas ou realizando exercícios de tiro.

Vladislav Seleznev, porta-voz da operação ucraniana no leste, disse que as forças rebeldes atacaram a base ucraniana ao norte de Slovyansk na noite de segunda-feira, que não houve conflitos durante a noite.

Mas em outro posto de verificação controlado pelo governo, nas proximidades de Slovyansk, as tropas foram atacadas por francoatiradores na manhã desta terça-feira. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
UcrâniaRússiaPutinPoroshenko

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.