Emrah Gurel/AP
Emrah Gurel/AP

Ucraniano tenta desviar avião para Sochi dizendo ter explosivos a bordo

Boeing da Pegasus Airlines, que havia decolado de cidade ucraniana com destino a Istambul, é escoltado por caças turcos e cercado por tropas especiais

O Estado de S. Paulo,

07 de fevereiro de 2014 | 15h33

(Atualizada às 23h) ISTAMBUL - Dizendo ter uma bomba, um homem tentou sequestrar na sexta-feira, 7, um avião comercial, com 110 passageiros, que ia da Ucrânia para Istambul, e desviá-lo em direção à cidade russa de Sochi, onde ocorria a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno. A Turquia enviou caças F-16 para escoltar a aeronave e, após o pouso em Istambul, forças especiais convenceram o sequestrador - que seria ucraniano - a se entregar. Ninguém ficou ferido.

O incidente ocorreu em um momento de forte tensão na Rússia em razão dos jogos de inverno. O governo de Vladimir Putin mobilizou um impressionante aparato de segurança em todo o país, temendo que radicais islamistas do norte do Cáucaso cumpram a ameaça de novos atentados.

O Boeing da companhia Pegasus Airlines havia decolado de Kharkov, perto da fronteira com a Rússia, e até à noite de sexta-feira, autoridades turcas não haviam confirmado se de fato ele levava explosivos. Segundo informações não confirmadas de uma agência de notícias ucraniana, a polícia não encontrou bombas nem armas.

O subsecretário de Transportes da Turquia, Habib Soluk, confirmou que o episódio está sendo tratado como uma tentativa de sequestro. Segundo Soluk, o suspeito não conseguiu entrar na cabine do avião e o piloto, Ilyas Karagülle, acionou a Força Aérea turca, que colocou em estado de alerta o aeroporto.

O homem teria sido enganado pela tripulação, acreditando que o avião estava a caminho de da Rússia. "Fizeram ele acreditar que o avião seguia realmente para Sochi", afirmou Soluk. "Esperamos que todos os passageiros sejam retirados sem nem sequer um nariz sangrando."

A Turquia, que por décadas conviveu com o terrorismo curdo, não revelou quais seriam as motivações do suposto terrorista, tampouco sua identidade.

De acordo com uma agência de notícias russa, ele estava "altamente intoxicado" com bebida alcoólica. A Pegasus Airlines confirmou que houve uma "ameaça de bomba" contra um de seus aviões, sem dar mais detalhes sobre o caso.

Na pista do aeroporto de Sabiha Gokcen, em Istambul, tropas especiais do esquadrão antiterror aguardavam a aeronave. O homem se entregou sem resistir.

Com cerca de 100 mil policiais, agentes secretos e militares atualmente em Sochi, a Rússia prometeu fazer desses jogos de inverno "os mais seguros da história". No entanto, a competição ocorre na esteira de uma série de atentados a bomba na Rússia, atribuídos a militantes islâmicos que buscam independência de repúblicas do Cáucaso.

Sucesso. Especialistas em segurança afirmam que esses insurgentes podem conseguir cumprir sua promessa de lançar ataques em vários pontos da Rússia durante os jogos, que se estendem até o dia 23.

O anúncio de que a polícia havia detido o suposto terrorista foi feito pelo governador de Istambul, Huseyin Avni Mutlu, em sua conta no Twitter. "A operação foi concluída", afirmou Mutlu. "Todos os passageiros foram retirados sem nenhum problema." / NYT, AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.