Ucranianos reagem a candidatos ligados ao ex-presidente

Ex-aliados de Yanukovich concorrem a cargos e são hostilizados; um deles foi jogado em uma lata de lixo por manifestantes

KIEV, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2014 | 02h02

"As pessoas estão prontas para matar." O alerta é de Olga Navrotska, ativista que em fevereiro estava nos protestos da Praça Maidan e hoje lidera um fundo para ajudar soldados e milícias na guerra no leste da Ucrânia. Acompanhando a reportagem do Estado, ela voltou, na semana passada, pela primeira vez à praça no centro de Kiev e não conteve as lágrimas ao ver as fotos de seus companheiros mortos entre os dias 18 e 22 de fevereiro. "Será uma eleição muito tensa", disse.

A ativista afirmou ter esperanças de que a realidade de seu país mude com novos políticos assumindo posições de comando. No entanto, ela alertou que a "velha guarda" não deve largar os benefícios que teve por anos tão facilmente, o que abrirá brechas para novos confrontos. "O que estamos vendo é políticos do antigo regime se apresentando com uma nova imagem e tentando ganhar votos. Isso é escandaloso", disse.

Para ela, o caso mais dramático é de Nestor Shufrich, aliado do ex-presidente Viktor Yanukovich e hoje candidato. Na semana passada, em Odessa, ele foi agredido por manifestantes ao tentar tomar a palavra em um comício. Com sua camisa rasgada e o rosto ensanguentado, ele conseguiu fugir. "Ele mereceu o que recebeu", disse Olga, sem qualquer constrangimento em relação à violência. "Foi ele que ordenou que os atiradores fossem posicionados para matar meus amigos."

Nos tribunais, uma série de processos foram abertos contra candidatos que eram ligados ao governo Yanukovich. Há duas semanas, outro aliado do ex-presidente, Vitali Zhuravski, foi cercado por manifestantes em Kiev e jogado em uma lata de lixo.

Para especialistas, não é uma surpresa que a população esteja atacando fisicamente os políticos. Depois de seis meses da queda do antigo governo, ninguém foi processado pelas mortes, pela corrupção e pela situação econômica, que é cada vez pior. "Quando as leis não funcionam, em lugar de procuradores e juízes, aparecem as latas de lixo", disse Viktor Chumak, deputado da Aliança Democrática para as Reformas. "Em vez de sentença, um soco é o que prevalece. O problema é que hoje é um soco. Amanhã, pode ser uma bala", afirmou.

No total, a Comissão Eleitoral registrou 194 candidatos de oposição ao atual movimento de integração da Ucrânia à Europa. Muitos deles foram do governo anterior.

Em Kiev, ativistas locais ainda denunciam o fato de que políticos e grupos pró-russos estão financiando candidatos com o objetivo de desmoralizar as eleições; 16 pessoas foram registradas para as eleições parlamentares com o nome de Darth Vader. Eles disputarão uma vaga ao lado de Yoda e Chewbacca, outros personagens de Guerra nas Estrelas. A campanha, que comprou dezenas de espaços de publicidade pelo país para fotos dos personagens, levantou perguntas sobre quem, diante de uma profunda crise econômica, estaria bancando o grupo de personagens. / J.C.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.