Wattie Cheung/Pool/AFP
Wattie Cheung/Pool/AFP

UE amplia pressão e apura se vacinas do bloco foram para o Reino Unido

Inspetores da agência de medicamentos da Bélgica vistoriaram fábrica da AstraZeneca para descobrir se as doses destinadas à União Europeia teriam sido desviadas; comissão executiva diz acreditar que atraso não afetará planos de vacinar 70% dos cidadãos do bloco

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2021 | 05h00

A União Europeia (UE) começou a investigar se as vacinas produzidas no bloco foram destinadas ao Reino Unido em meio à escassez nos países europeus. Na quarta-feira, inspetores da agência de medicamentos da Bélgica, a pedido da Comissão Europeia, foram vistoriar uma fábrica da AstraZeneca, em Seneffe, a 40 quilômetros de Bruxelas. Eles recolheram documentos e agora vão apurar se as doses da UE teriam sido desviadas.

A blitz na fábrica foi feita após a empresa britânica divulgar, na semana passada, que não conseguiria cumprir seus contratos de entrega – 80 milhões de doses no primeiro trimestre. A AstraZeneca alegou problemas na produção, mas a explicação não convenceu a UE. A campanha de imunização do Reino Unido está hoje bem mais adiantada do que a da União Europeia, o que tem pressionado os governos locais.

Durante a inspeção, foram recolhidas amostras de doses e registros de produção e os investigadores prometeram uma nova visita nos próximos dias. A ideia é usar o material para rastrear as doses. 

Segundo a UE, a fábrica belga é uma das quatro unidades da AstraZeneca incluídas no contrato entre o bloco e a empresa para produzir vacinas para o mercado europeu. Desde o início da semana, o bloco tem aumentado a pressão sobre a empresa. 

A comissária europeia para saúde, Stella Kyriakides, disse na quarta-feira que a AstraZeneca deverá fornecer vacinas de suas instalações no Reino Unido se não for capaz de cumprir os compromissos com as doses produzidas na UE. Segundo Stella, é possível descobrir se doses europeias foram desviadas. 

“Rejeitamos a lógica do primeiro a chegar, primeiro a ser servido. Isso pode funcionar em um açougue, mas não em contratos e não em nossos acordos de compra antecipada”, disse. “Nenhuma empresa deve ter a ilusão de que não temos os meios para saber o que está acontecendo. Temos conhecimento da produção das doses, onde foram produzidas e se foram enviadas para algum lugar, onde for.”

Agora, o bloco pode impedir que doses de vacinas sejam enviadas ao Reino Unido, segundo o jornal britânico The Guardian. A Comissão Europeia estuda a criação de bloqueios de exportações, por meio de mecanismos que permitirão aos governos locais vetarem a saída de imunizantes do bloco. 

A resposta europeia à escassez de vacinas traz incômodo especialmente aos britânicos – fora do bloco desde 1.º de janeiro. Nesta semana, durante o Fórum Econômico Mundial, o país ficou ao lado das nações emergentes quando a UE se queixou da falta dos imunizantes para países do bloco. As duas fornecedoras que firmaram contrato com Londres – Pfizer-BioNTech e AstraZeneca – têm indústrias em território belga. 

O Guardian afirmou que se os britânicos dependerem apenas de vacinas produzidas no país, a meta de imunizar 75% da população e atingir a imunidade coletiva pode ter de ser adiada em dois meses.

A AstraZeneca disse que conseguirá produzir 2 milhões de doses por semana para o Reino Unido e atingir as 100 milhões de doses prometidas. 

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, afirmou que a solidariedade internacional na luta contra o vírus é “chave” no momento em que aumentam as tensões entre os países. Ele admitiu, porém, que “realmente há falta de vacinas” e a situação é “crítica”. Apesar das dificuldades, a comissão executiva da UE disse que continua confiante que o atraso da AstraZeneca não afetará seus planos para garantir que 70% dos cidadãos do bloco, com população estimada em 450 milhões, sejam vacinados até setembro. 

A meta é amparada na disponibilidade de doses fabricadas pela Pfizer-BioNTech e Moderna. “O que temos discutido com a AstraZeneca é como eles podem nos entregar o mais rápido possível as doses necessárias para vacinar a população do bloco”, disse o porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer. “É do interesse dos cidadãos europeus.” / AP, REUTERS e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.