VOLODYMYR SHUVAYEV / AFP
VOLODYMYR SHUVAYEV / AFP

UE aprova mais sanções contra a Rússia, mas adia implementação

Chanceleres esperam resultado de reunião entre líderes do bloco com presidente russo por tentativa de paz no leste ucraniano

O Estado de S. Paulo

09 de fevereiro de 2015 | 10h41


BRUXELAS - Chanceleres da União Europeia aprovaram nesta segunda-feira, 9, a imposição de proibições de vistos e congelamento de bens sobre mais separatistas ucranianos e cidadãos russos, mas vai esperar até o dia 16 para implementar as medidas, de forma a dar mais tempo para os esforços de paz, disse o chanceler francês, Laurent Fabius.

Os líderes de Ucrânia, Rússia, França e Alemanha vão se encontrar em Minsk, Belarus, na quarta-feira 11 para tentar mediar um acordo de cessar-fogo no leste da Ucrânia.

"O princípio dessas sanções permanece, mas a implementação vai depender dos resultados no terreno", disse Fabius.

Atualmente, a UE proíbe a concessão de vistos e congelou ativos de 132 pessoas e 28 organizações, a maioria companhias e grupos separatistas no leste da Ucrânia não reconhecidos pelo Ocidente. A nova lista de possíveis sanções econômicas foi formulada por agências da UE.

O ministro de Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, afirmou que diplomatas dos lados envolvidos no conflito estavam reunidos em Berlim nesta segunda para tentar fazer com que as discussões avancem. "Esperamos que as questões mais importantes possam ser resolvidas de forma que a reunião em Minsk traga expectativas e possa levar às primeiras medidas para neutralizar a situação e levar a um cessar-fogo", declarou.

Armamento. Enquanto o debate em Washington sobre o envio ou não de armas para as Forças Armadas ucranianas continua, a maioria dos ministros da UE diz que agora não é hora para arriscar uma intensificação das tensões.

A Grã-Bretanha pretende adiar a medida de enviar armas, por enquanto, segundo o secretário de Relações Exteriores Philip Hammond. /AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.