UE aprova proibição de propaganda de cigarro

A União Européia (UE) aprovou nesta segunda-feira a ilegalidade dos anúncios de cigarros em jornais e revistas, na Internet e em eventos esportivos internacionais nos 15 países do bloco, a partir de julho de 2005. As novas restrições foram apoiadas por 13 das 15 nações, o suficiente para a aprovação do projeto elaborado pela comissão executiva da UE, depois de uma decisão judicial ter derrubado uma proibição anterior. "Demos um grande passo na direção de uma forte política comum de proteção ao público contra a promoção de produtos da indústria do tabaco", disse o ministro dinamarquês da Saúde, Lars Lokke Rasmussen, que presidiu a reunião dos ministros da UE. "A nova lei vai possibilitar às nações da comunidade combater o consumo de cigarros", disse o comissário para a Saúde da UE, David Byrne. A lei também proíbe as empresas de patrocinarem eventos esportivos, como a Fórmula Um, que é realizada em mais de um país europeu, e termina com a distribuição de cigarros como forma de promoção. Apenas Alemanha e Inglaterra votaram contra o projeto. Berlim alega que as regras eram muito amplas e queria menos restrições aos anúncios na imprensa escrita. Londres afirmou que a lei não foi longe o suficiente. No último dia 20, o Parlamento Europeu havia aprovado, em primeira votação, o projeto. Uma lei européia já proíbe a propaganda e o patrocínio de cigarros na televisão e vários países-membros adotam extensiva legislação antitabagista. O projeto de lei não cobre propaganda em cinemas, quadros de aviso, pôsteres e propaganda indireta, como a da marca Camel (da RJR Nabsico) em roupas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.