EFE/EPA/MIRAFLORES PALACE PRESS OFFICE
EFE/EPA/MIRAFLORES PALACE PRESS OFFICE

UE aprovará sanções contra a Venezuela, incluindo embargo sobre as armas

Sanções também vão proibir as empresas europeias de fornecer material de vigilância eletrônica que poderia servir para reprimir a oposição ao regime do presidente Nicolas Maduro

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 16h35

Os embaixadores dos 28 países da União Europeia concordaram nesta quarta-feira com a adoção de sanções, incluindo um embargo sobre o fornecimento de armas, contra a Venezuela, em resposta à crise política que atinge o país, segundo fontes diplomáticas.

+ Maradona joga com Maduro e pede a ele que 'não se entregue'

As sanções também vão proibir as empresas europeias de fornecer material de vigilância eletrônica que poderia servir para reprimir a oposição ao regime do presidente Nicolas Maduro.

Elas vão ser formalmente adotadas na segunda-feira pelos ministros das Relações Exteriores dos países do bloco europeu durante sua reunião mensal em Bruxelas, de acordo com as fontes.

O Conselho de Segurança da ONU está analisando a possibilidade de reunir-se na próxima segunda-feira para analisar a crise da Venezuela, por iniciativa dos Estados Unidos, informaram fontes diplomáticas nesta quarta-feira à Agência Efe.

O tema foi abordado pela primeira vez no último dia 17 de maio, também por iniciativa dos EUA, embora nessa ocasião a reunião tenha acontecido a portas fechadas e terminado sem conclusões conjuntas desse órgão das Nações Unidas.

+ Maduro diz estar disposto a se tornar ditador para chegar à paz econômica

As fontes disseram à Efe que a nova reunião, se for confirmada, de acordo com a "Fórmula Arria", que normalmente implica que a reunião seja a portas fechadas e também que não seja aprovada uma resolução específica.

Este formato permite uma discussão informal entre os membros do Conselho de Segurança e dela podem participar convidados, seja de países, de organizações ou indivíduos que se considerem afetados pelo tema abordado.

Fontes do Conselho de Segurança, presidido este mês pela Itália, só disseram à Efe que a reunião não está confirmada quando foram consultadas pela reunião sobre a Venezuela que estaria sendo organizada para esta segunda-feira. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.