Baz Ratner/Arquivo/Reuters
Baz Ratner/Arquivo/Reuters

UE avalia fim de investimentos em assentamentos israelenses

Objetivo de diplomatas é dissuadir Israel de realizar contruções em territórios palestinos

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 14h13

Diplomatas de mais de 20 países europeus estão pressionando a União Europeia (UE) a desencorajar investimentos em assentamentos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. As duas áreas são reivindicadas pelos palestinos para a fundação de um Estado independente e estão atualmente sob ocupação de Israel.

Na avaliação dos diplomatas, as obras promovidas por Israel nos territórios ocupados representam na atualidade "a maior ameaça" à paz no Oriente Médio. A recomendação dos diplomatas de 22 países europeus consta de um relatório interno apresentado aos governos dos países que integram a UE obtido pela Associated Press.

Ainda de acordo com o documento, a UE precisa assegurar que a assistência do bloco a Israel e os acordos comerciais não beneficiem inadvertidamente os assentamentos. Sem entrar em detalhes, os diplomatas recomendam que a UE "previna, desencoraje e promova uma campanha de conscientização" sobre os investimentos de empresas europeias nos assentamentos.

Apesar de a recomendação não ter força de lei, o relatório é endossado por 22 chefes de missões diplomáticas de países europeus em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia e reflete o crescente isolamento de Israel por causa da manutenção de assentamentos nos territórios palestinos ocupados.

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.