UE condena construção de assentamento na Cisjordânia

A União Européia (UE) condenou nesta quarta-feira, 27, a construção de um novo assentamento israelense na Cisjordânia ao dizer que tal ação, além de ilegal, prejudica os esforços para a chegada a uma solução pacífica que permita a coexistência de um Estado israelense e um palestino."A União Européia expressa sua profunda preocupação com as notícias de que o governo israelense autorizou a construção de um assentamento na Cisjordânia", afirmou o bloco em um comunicado. Na terça-feira, o governo israelense informou que aprovou o novo assentamento para abrigar ex-colonos judeus que moravam na Faixa de Gaza, quebrando assim uma promessa feita aos Estados Unidos de que cessaria a construção de casas em território palestino. A construção na cidade se Maskiot, no norte da Cisjordânia, começou há meses, mas o projeto somente recebeu aprovação final do Ministério da Defesa na semana passada, informaram oficiais israelenses."Tais ações unilaterais também são ilegais e ameaçam tornar a solução de criação dos dois Estados fisicamente impossível de ser implementada", disse a UE. "Isso também pode significar a transferência de colonos abrigados em Gaza para a Cisjordânia, algo que a UE considera inaceitável." O bloco também pediu a "interrupção de todas as atividades que possam pôr em risco o cessar-fogo" entre o Estado judeu e os palestinos.Críticas norte-americanasO plano israelense também recebeu críticas do governo dos Estados Unidos. Caso prossiga com o assentamento, Israel irá violar suas obrigações perante o mapa do caminho, informou um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA.O governo Bush, que raramente critica as ações de Israel, pediu ao Estado judeu para que "evite tomar ações" que possam prejudicar "futuras negociações", afirmou o porta-voz Gonzalo R. Gallegos.Israel concordou com o mapa do caminho em 2003. O plano, que tem como meta levar Israel e os palestinos a um acordo para estabelecer um Estado palestino, foi realizado pelos EUA, Nações Unidas, União Européia e Rússia.Matéria ampliada às 18h24

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.