UE condena pedido de Kadafi por 'jihad' contra Suíça

Um pedido do líder líbio Muamar Kadafi por uma jihad (guerra santa), após a Suíça proibir a construção de minaretes, foi qualificado hoje como "infeliz" por um porta-voz da chefe da política externa da União Europeia (UE). "Se essas notícias estão corretas, vêm em um momento infeliz, quando a União Europeia está trabalhando com a Suíça para tentar alcançar uma solução diplomática" para a longa divergência entre os dois países, afirmou Lutz Guellner, porta-voz da alta representante da UE Catherine Ashton.

AE, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2010 | 12h33

"Jihad contra a Suíça, contra o sionismo, contra a agressão estrangeira não é terrorismo", afirmou ontem Kadafi, na cidade de Benghazi. Os eleitores suíços aprovaram em referendo no ano passado a proibição da construção dos minaretes, que são torres das mesquitas muçulmanas.

As relações entre Líbia e Suíça estão ruins desde julho de 2008, quando Hannibal, filho de Kadafi, foi brevemente detido em Genebra. O problema piorou quando a Líbia reagiu prendendo brevemente e confiscando o passaporte de dois empresários suíços, Rashid Hamdani e Max Goeldi. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UEKadafijihadSuíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.