EFE/Julien Warnand
EFE/Julien Warnand

UE dá aval para os 27 membros prepararem negociações comerciais com Londres

Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, diz que líderes começaram 'preparações internas' para a segunda fase das negociações; para Angela Merkel, no entanto, avanço depende de acordo sobre obrigações financeiras dos britânicos

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 12h23

BRUXELAS - Os líderes europeus, reunidos sem a primeira-ministra britânica, Theresa May, autorizaram na quinta-feira o início dos debates internos entre os 27 países-membros para preparar as futuras relações com o Reino Unido, incluindo o acordo de livre-comércio, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

+ The Economist: Qual Corbyn está à porta de Downing Street?

"Aval aos líderes dos 27 para as preparações internas sobre a segunda fase" das negociações de saída do Reino Unido da UE, tuitou Tusk. 

May disse que o Reino Unido só aceitará um acordo financeiro no marco das negociações do Brexit uma vez que se acordem os detalhes de sua relação futura com a UE. 

"O acordo completo e definitivo fará parte do acordo final que alcançaremos sobre a futura relação", declarou a dirigente conservadora no segundo dia de uma cúpula europeia em Bruxelas.

Esta fase deve ser iniciada com Londres depois que forem alcançados "progressos suficientes" nas atuais discussões de divórcio e deve abordar um eventual período de transição de dois anos após a saída efetiva do Reino Unido prevista para o final de março de 2019, assim como um acordo de livre-comércio dos dois lados do Canal da Mancha.

May pressiona para abrir esta segunda fase, mas seus 27 sócios a condicionam a "progressos suficientes" nas atuais prioridades do divórcio: a conta a ser paga por Londres por sua partida, a situação dos direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido após o Brexit e a questão da Irlanda do Norte.

Os dirigentes europeus acertaram ainda que decidirão sobre a autorização para passar à segunda fase em sua cúpula prevista para dezembro, embora tenham estendido a mão ao Reino Unido autorizando "discussões preparatórias internas" entre os 27 para preparar a futura relação.

Neste sentido, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que a UE só pode concordar em entrar na próxima fase das negociações do Brexit se o Reino Unido avançar com suas obrigações financeiras com o bloco.

“Nós esperamos que até dezembro tenhamos avançado o suficiente para permitir que a fase dois comece, mas isso depende da extensão do progresso feito pelo Reino Unido para que nós possamos dizer que é suficiente nos temas centrais da fase um”, disse Merkel, no final da cúpula. “Nisso, o acordo financeiro é o tema mais proeminente”, acrescentou.

Após quatro meses de negociações, estas se encontram travadas pelas diferenças entre Londres e os 27 na questão financeira e no papel do Tribunal de Justiça da UE como instância encarregada de resolver divergências sobre os direitos dos cidadãos, algo que Londres rejeita. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.