UE decidirá sobre sanções contra Rússia semana que vem

Após queda de jato da Malaysia Airlines, medidas mais duras, que afetarão a economia russa, deverão ser tomadas

Agência Estado

25 Julho 2014 | 11h22

Autoridades europeias adiaram nesta sexta-feira as discussões sobre a imposição de sanções a membros do círculo interno do presidente russo Vladimir Putin, mas avançaram com os planos de aplicar sanções econômicas setoriais contra a Rússia na próxima semana.

Embaixadores dos Estados membros da União Europeia (UE) reuniram-se pelo segundo dia consecutivo nesta sexta-feira para discutir a elevação da pressão econômica sobre Moscou por causa do que o Ocidente chama de apoio russo aos militantes no leste da Ucrânia.

A decisão deve afetar a economia russa com medidas mais duras, depois da queda de um jato da Malaysia Airlines no leste ucraniano, provavelmente abatido por um míssil disparado por separatistas apoiados pela Rússia, resultando na morte de mais de 200 cidadãos europeus.

Na quinta-feira, a UE acrescentou mais 18 entidades a sua lista de sanções, dentre elas grupos separatistas como a República Popular de Lugansk e a República Popular de Donetsk, além de seis empresas sediadas na Crimeia que se beneficiaram da anexação russa da região, disseram diplomatas. Também foram acrescidos à lista 15 indivíduos, dentre eles graduadas autoridades do Serviço de Segurança Federal russo (FSB, na sigla em inglês). Segundo diplomatas da UE, o chefe da FSB é uma das pessoas que passou a integrar a lista.

Autoridades europeias disseram que os nomes das pessoas e empresas serão publicados nesta sexta-feira, após o meio-dia (em Brasília), no periódico oficial do bloco, medida que significa que a proibição de viagens e o congelamento de ativos entrará em vigor imediatamente.

Também na quinta-feira, a UE concordou com uma medida que permite ao bloco atingir pessoas que apoiam diretamente os políticos russos que tomam decisões sobre a Ucrânia, o que inclui a anexação da Crimeia por Moscou em março. Isso abre caminho para que o bloco aplique sanções contra oligarcas russos próximos ao Kremlin e a mais conselheiros e auxiliares próximos a Putin.

Pessoas familiares com as discussões disseram que os embaixadores queriam se concentrar, nas discussões desta sexta-feira, em como elaborar sanções econômicas mais amplas contra a Rússia e querem esperar até segunda ou terça-feira antes de iniciar um novo debate sobre como afetar o círculo interno de Putin. Os embaixadores europeus se reunirão de novo na segunda e terça-feira para continuar as discussões.

Na tarde desta sexta-feira, o porta-voz da Comissão Europeia, Jonathan Todd, disse que o braço executivo do bloco "vai agora avançar com as propostas legislativas com muita rapidez". Autoridades disseram que o texto legal detalhado a respeito de sanções mais amplas pode chegar às capitais ainda nesta sexta-feira, o que permitirá os governos dos 28 países do bloco estudar os detalhes no final de semana. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UERússiasanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.