Allison Joyce/Reuters
Allison Joyce/Reuters

UE deve propor candidato ao FMI se Strauss-Kahn renunciar

Segundo presidente da Comissão Europeia, se sucessor for necessário, UE apresentará candidato

Priscila Arone, da Agência Estado,

16 de maio de 2011 | 17h52

BRUXELAS - A União Europeia (UE) deve propor um candidato para dirigir o Fundo Monetário Internacional (FMI) caso o atual diretor-gerente do organismo, Dominique Strauss-Kahn, renuncie, afirmou nesta segunda-feira, 16, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, segundo sua porta-voz.

 

Veja também:

som Estadão ESPN: Escolha do sucessor não vai sair para já

som Estadão ESPN: Diretor do FMI declara que não é culpado

especial Políticos e seus escândalos sexuais

 

Ela afirmou que Barroso disse à televisão holandesa que ele não vai fazer especulações, mas que, se um sucessor for necessário, a UE deve apresentar um candidato.

 

Embora um ou dois governos europeus, como o britânico, tenham falado sobre a possibilidade de uma pessoa de fora da Europa ser escolhida para dirigir o FMI, várias autoridades europeias declararam nas últimas 24 horas que não deve haver alteração nas práticas de escolha da liderança do organismo.

 

A chanceler alemã Angela Merkel disse aos jornalistas nesta segunda-feira que há boas razões para a escolha de um candidato europeu, tendo em vista a atual crise na região.

 

"Sabemos que, no médio prazo, países em desenvolvimento têm o direito de indicar candidatos para o maior cargo do FMI e do Banco Mundial. Eu acho que, na atual situação, quando temos uma série de discussões sobre o euro, a Europa tem bons candidatos a oferecer", afirmou Merkel.

 

O ministro de Finanças da Bélgica, Didier Reynders, também disse aos jornalistas nesta segunda-feira que o atual equilíbrio entre Estados Unidos e União Europeia na liderança do Banco Mundial e do FMI deve ser mantido.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.