UE distancia-se de Bush em relação a Israel

A União Européia (UE) reagiu com frieza ao plano unilateral do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, de manter o controle sobre algumas partes da Cisjordânia, e defendeu que qualquer acordo de paz precisa ser negociado e contar com a concordância dos palestinos.A UE acredita que as negociações para um Estado palestino independente e soberano, como exige o roteiro para a paz, deve respeitar as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, travada em 1967, e alertou que o desrespeito a essa demarcação pode alimentar ainda mais o extremismo na região. O roteiro para a paz foi elaborado em conjunto por EUA, Rússia, UE e ONU.Com seu apoio ao plano de Sharon de manter cerca de 100.000 colonos judeus na Cisjordânia, Bush distanciou-se de um elemento essencial do roteiro para a paz: a exigência de desmantelamento dos assentamentos judaicos construídos em terras palestinas."A União Européia não reconhecerá nenhuma mudança nas fronteiras anteriores a 1967 a não ser aquelas que forem fruto de um acordo negociado entre as partes", disse o chanceler irlandês, Brian Cowen. A Irlanda ocupa atualmente a presidência rotativa da UE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.