UE diverge sobre meta para cortar emissão de gases

Países da União Europeia (UE) divergiram, neste sábado, sobre o nível a ser estabelecido dos cortes de emissões de gases causadores do efeito estufa. A informação foi divulgada pelo comissário de ambiente da UE, Stavros Dimas.

GABRIEL BUENO, Agencia Estado

16 de janeiro de 2010 | 12h43

Ministros do Meio Ambiente de França, Alemanha e Grã-Bretanha disseram, durante um encontro ministerial ocorrido em Sevilha, que defendiam a redução da meta da UE de 30% para 20%, caso outros países não acompanhem a oferta mais agressiva de cortes.

A meta a ser adotada pelo bloco após o fracasso da conferência climática de Copenhague em dezembro, porém, ainda não é algo unânime entre os países, segundo Dimas. Ele não especificou, porém, quais outras nações estariam contra a meta mais ambiciosa.

Polônia e Itália se opuseram a uma meta maior do que 20% no corte de emissões, segundo o ministro de Meio Ambiente da França, Jean-Louis Borloo. Já o ministro do Meio Ambiente alemão, Norbert Roettgen, culpou a hesitação dos Estados Unidos para oferecerem cortes similares aos da UE e a tentativa da China de bloquear um acordo global como os responsáveis pelo "revés" em Copenhague. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
climaUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.