UE diz que disputa de gás é um 'problema bilateral'

República Tcheca, presidente da UE, disse que não irá interferir até que a oferta de gás do bloco seja afetada

Reuters

02 Janeiro 2009 | 19h22

A República Tcheca, atual presidente da União Européia, disse nesta sexta-feira, 2, que a disputa de gás entre a Rússia e a Ucrânia é um problema bilateral e não irá interferir até que a oferta de gás do bloco seja afetada.       Veja também:  Rússia não fornece gás suficiente para Europa, diz Ucrânia A distribuição de gás russo para a Ucrânia foi suspensa em meio a uma disputa contratual, fortalecendo preocupações entre as distribuidoras da União Européia, com alguns Estados já registrando baixa no abastecimento. Um dia após Praga assumir a Presidência rotativa da UE, o primeiro-ministro tcheco, Mirek Topolanek, se encontrou com autoridades da Ucrânia, rota de distribuição de gás para o bloco, nesta sexta-feira. Autoridades tchecas gostariam de se reunir com seus colegas russos em alguns dias. "Debatemos que é inaceitável para a União Européia que o conflito entre duas companhias privadas possa enfraquecer a oferta de gás para a UE", disse o porta-voz da Presidência tcheca da UE , Jiri Potuznik. "Mas no momento nós realmente acreditamos que é um problema bilateral e será resolvido pelas duas companhias ou seus governos. Nós não vamos interferir até que a pressão do gás atinja limites de baixa". Mais tarde, Potuznik disse que líderes tchecos devem se reunir com autoridades russas nos próximos dias para entender melhor a situação. "Nós estamos profundamente interessados na reunião com os russos, e parece que eles estão interessados na mesma coisa. Portanto, é muito provável que a reunião aconteça dentro de alguns dias", disse ele. A Ucrânia disse que tem uma ampla reserva de gás e está apta para manter a pressão do gás em níveis normais, disse Potuznik. No entanto, ele acrescentou: "É claro que ninguém sabe quão grande é o estoque e quais as reservas realmente são". (Reportagem de Jason Hovet)

Mais conteúdo sobre:
GásUcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.