UE diz que oferta turca pode significar um "passo importante"

A Comissão Européia (CE) considera que a iniciativa turca para abrir um porto e um aeroporto para o Chipre pode significar, "se for confirmada", um "passo importante" para queAncara cumpra suas obrigações com a União Européia, disse nesta quinta-feira uma porta-voz. A oferta de Ancara, condicionada a um desbloqueio da região turca do norte do Chipre, pode ter "uma influência positiva" na atual discussão dentro da UE sobre como continuar as negociações para a adesão da Turquia, disse a porta-voz de Ampliação do órgão executivo da UE, Krisztina Nagy. Nagy acrescentou que a CE e a presidência finlandesa da UE estão buscando esclarecimentos de Ancara sobre a oferta e a condição turca de que sejam abertos ao tráfego internacional dois portos e um aeroporto da região turca do norte cipriota. Por isso, Nagy não pôde dizer se a CE revisará sua proposta da semana passada de congelar parcialmente as negociações com a Turquia para a entrada do país na UE, que responde ao descumprimento por esse país do Protocolo de Ancara. "Não seria adequado especular sobre possíveis cenários", afirmou. A CE propôs na semana passada paralisar oito dos 35 capítulos em que se dividem as negociações e impedir a negociação total dos outros capítulos. O protocolo amplia o acordo alfandegário com a UE aos dez países que entraram no bloco em 2004, o que significa que Ancara deve abrir seus portos e aeroportos a navios e aviões dos dez novos membros da UE, entre eles o Chipre, país que a Turquia não reconhece. Os embaixadores dos membros do bloco perante a UE farão uma reunião extraordinária na sexta-feira para debater a proposta turca. Espanha, Itália, Reino Unido, Suécia e Estônia consideram que a proposta da CE é excessiva, enquanto outros três (entre eles o Chipre) acham que é muito branda. Os ministros de Exteriores da UE devem tentar chegar a uma decisão sobre a proposta da CE na próxima segunda-feira, para o qual é necessária uma posição unânime que será difícil de ser alcançada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.