UE diz que referendo da Crimeia é ilegal

O presidente da Comissão Europeia - braço executivo da União Europeia - José Manuel Durão Barroso, e o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, divulgaram neste domingo um comunicado no qual afirmam que o referendo sobre a anexação da Crimeia à Rússia é ilegal e não terá seu resultado reconhecido pelo bloco.

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

16 de março de 2014 | 13h44

Os líderes europeus condenaram a violação da soberania da Ucrânia e pediram que a Rússia retire suas tropas do país. Segundo eles, os ministros de Relações Exteriores dos 28 países da UE vão se reunir nesta segunda-feira em Bruxelas para decidir sobre "medidas adicionais" contra a Rússia.

"A resolução para a crise na Ucrânia precisa ser baseada na sua integridade territorial, soberania e independência, dentro da estrutura da constituição ucraniana e cumprimento rígido das regras internacionais", dizem Barroso e Rompuy no comunicado. Segundo ele, somente por meio da diplomacia, que incluiria conversas diretas entre a Rússia e a Ucrânia, será possível encontrar uma solução.

"A União Europeia tem uma responsabilidade especial pela paz, estabilidade e prosperidade no continente europeu e vai continuar perseguindo esses objetivos, usando todos os canais disponíveis", acrescenta o texto.

Tudo o que sabemos sobre:
CrimeiaRússiareferendoUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.