UE e Casa Branca pedem calma a Rússia e Geórgia

Uma fonte do governo georgiano revelou ontem que o míssil que caiu em uma aldeia da Geórgia, na segunda-feira, foi descartado por um caça russo, e não disparado, como o governo local suspeitava. Em meio à tensão entre Tbilisi e Moscou, EUA e União Européia pediram calma aos dois países.Apesar de a Geórgia ter acusado a Rússia de ter invadido seu espaço aéreo e disparado o míssil - que não explodiu nem deixou feridos -, o incidente pode ter sido causado pela confusão de um piloto russo.Segundo a agência de notícias Reuters, o piloto teria simplesmente se livrado do míssil depois que rebeldes da região separatista da Ossétia do Sul, que são apoiados pela Rússia, terem disparado por engano contra o avião. ''''O piloto decidiu livrar-se do míssil guiado. Isso explica porque não houve detonação'''', afirmou a fonte, que pediu para não ser identificada.A Rússia, no entanto, rejeitou a versão e disse que o incidente é uma tentativa de desestabilizar as relações entre os dois países.O governo da Geórgia informou ontem que pedirá ao Conselho de Segurança da ONU que investigue ''''o ato de agressão'''' da Rússia. Autoridades disseram ter imagens de radar que provam que o caça russo invadiu o espaço aéreo do país.O Kremlin, no entanto, argumenta que os dados captados por radares não provam nada. ''''Muitos países, incluindo a Geórgia, possuem o mesmo tipo de avião'''', disse Vyacheslav Kovalenko, embaixador russo em Tbilisi

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.