UE e China podem trabalhar em conjunto na crise nuclear

A União Européia está disposta a trabalhar em conjunto com a China para solucionar o conflito criado pelo teste nuclear realizado pela Coréia do Norte na segunda-feira, disse o chefe da diplomacia européia, Javier Solana, em conversa por telefone com o ministro de Relações Exteriores chinês, Li Zhaoxing. O "Diário do Povo" informa na edição desta quarta-feira que Li conversou na noite de terça-feira com o Alto Representante para a Política Externa e deSegurança da União Européia. Solana anunciou seu apoio à posição da China na crise nuclear. O diplomata acrescentou que a UE está disposta a se coordenar com a China, numa tentativa de resolver a situação. Também na terça-feira, Solana e o chanceler japonês, Taro Aso, concordaram em intensificar seus contatos. O ex-secretário de Estado americano, Henry Kissinger, em visita à China, disse que o país tem uma interpretação idêntica à dos EUA. "Podemos ter pequenas diferenças na atitude, mas a direção é amesma", afirmou. Kissinger deu uma conferência na Universidade de Pequim, durante uma das várias viagens anuais que faz à China, desta vez a convite do Instituto Popular de Relações Exteriores. Sobre a crise nuclear, Kissinger, de 83 anos, lembrou que durante seu mandato poucas nações tinham armas atômicas. "Agora, de 20 a 30países têm capacidade para produzi-las, por isso é impossível calcular as conseqüências", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.