UE encerra sanções contra Moussa Kousa, diz fonte

A União Europeia (UE) recompensou o mais alto integrante do governo de Muamar Kadafi que deixou o governo com o descongelamento de seus bens e o encerramento da proibição de viagem, que o impedia de visitar qualquer um dos 27 países do bloco.

AE, Agência Estado

14 de abril de 2011 | 13h56

O fim das sanções contra o ex-ministro de Relações Exteriores Moussa Koussa - decidido na terça-feira, mas tornado público apenas hoje - é, pelo menos em parte, uma tentativa de incentivar outros altos integrantes do governo líbio a desertar, disse um funcionário da UE.

O encerramento exigiu o consentimento de todos os países da UE. Mas o funcionário disse que a medida foi tomada a pedido da Grã-Bretanha, para onde Koussa viajou em 30 de março. O funcionário falou em condição de anonimato. O Ministério de Relações Exteriores britânico emitiu um comunicado hoje explicando a medida. "Sanções são introduzidas para invocar a mudança de comportamento e como Moussa Koussa escolheu deixar o regime ele não é mais alvo de sanções por esta razão", diz a nota.

Koussa foi um confiável conselheiro de Kadafi e tem sido responsabilizado por algumas das brutalidades cometidas pela Líbia. Ele foi o chefe de inteligência do país por mais de uma década e esteve ciente de todos os movimentos internos do regime e tem sido exaustivamente interrogado por funcionários britânicos.

A oposição líbia o culpa por assassinatos de dissidentes em capitais ocidentais e por orquestrar o atentado a bomba sobre Lockerbie, na Escócia, em 1988, e pela explosão de outro jato sobre o Níger, um ano mais tarde. As acusações nunca foram confirmadas.

Nos últimos anos, Koussa teve uma participação importante em persuadir os países ocidentais a encerrar as sanções contra a Líbia e remover o país da lista de patrocinadores do terrorismo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesKousasançõesUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.