UE espera que Obama aproxime EUA da Europa

Analistas alertam para risco de excesso de otimismo

Marcia Bizzotto, BBC

20 de janeiro de 2009 | 13h18

A União Européia espera que o novo presidente dos Estados Unidos aproxime o país das idéias defendidas pelo bloco, mas especialistas advertem para o risco de uma decepção."Espero que o novo presidente dos Estados Unidos junte-se aos esforços da União Européia para superar a crise financeira e combater as mudanças climáticas", disse repetidas vezes o presidente da Comissão Européia (órgão Executivo da UE), José Manuel Durão Barroso.Desde a eleição de Obama os líderes europeus evocam seu nome durante debates sobre as principais questões atuais, o que, na avaliação do jornal belga La Libre Belgique, coloca sobre suas costas um peso "capaz de abrumar qualquer presidente"."Esperamos que Barack Obama conclua a integração racial nos Estados Unidos e que estabeleça a paz no Oriente Médio. Que tire a América (e o mundo) da recessão e que salve o planeta do desastre ecológico anunciado. Que devolva aos americanos as casas que a crise das hipotecas lhes tirou e que proteja Darfur do genocídio. Que reforme os sistemas educativo e sanitário americanos e que desbloqueie as negociações de Doha (a rodada da OMC)", resumiu o jornal em um editorial desta terça-feira."Realismo"No entanto, para Daniel Gros, diretor do Centro para Estudos de Política Européia (CEPS, em inglês), um think-tank com sede em Bruxelas, esse ponto de vista é pouco realista e coloca Obama em uma posição com grandes chances de decepcionar aos europeus.O especialista lembra que Obama "é o presidente dos Estados Unidos, não do resto do mundo, e governará para os Estados Unidos", cujos interesses continuam os mesmos.Seria o caso, em sua opinião, da Rodada Doha, através da qual os países-membros da OMC (Organização Mundial do Comércio) buscam liberalizar os intercâmbios mundiais."Por mais boa vontade que tenha, Obama terá que velar pelos interesses dos produtores americanos e sofrerá a mesma pressão do poderoso lobby agrícola", avalia Gros.Segundo ele, é pouco provável que o novo presidente mude a posição de Washington também em relação à oposição ao programa nuclear do Irã ou à decisão de implementar um escudo antimísseis em solo europeu, o que provoca a ira de Moscou.Futuro de GuantánamoAo mesmo tempo, algumas diferenças entre os interesses europeus e americanos devem ganhar evidência.Seria o caso da prisão de Guantánamo, que Obama se disse decidido a fechar, como vem pedindo a UE. Mas até agora poucos países europeus se mostraram dispostos a receber antigos prisioneiros da base que abriga suspeitos de terrorismo em Cuba, no caso de seu fechamento.Em relação ao Afeganistão, o novo presidente americano já deixou claro que considera necessário intensificar a presença militar no país, mas a UE enfrenta uma opinião pública cada mais menos favorável a sua participação nessa intervenção.O que todos concordam é que, independentemente das decisões tomadas pelo novo governo, a imagem internacional dos Estados Unidos já sairá reforçada apenas com a posse de Obama."É impossível que a imagem do país fique pior do que está hoje", resume o deputado Elmar Brok, ex-presidente do comitê de Relações Exteriores do Parlamento Europeu.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.