UE estudar aliviar sanções contra pessoas próximas a ex-presidente da Ucrânia

A União Europeia estuda reduzir as sanções contra o círculo íntimo do ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych, de acordo com vários diplomatas da UE, uma admissão de que há muito pouca evidência para apoiar alegações de corrupção contra algumas das 22 pessoas listadas.

Estadão Conteúdo

17 de fevereiro de 2015 | 11h09

A UE pode retirar quatro pessoas da sua lista de altos funcionários do governo ucraniano, que eram investigados por uso indevido de dinheiro público, afirmaram diplomatas. O bloco deverá também estender por três meses o congelamento de bens imposto a outras quatro pessoas da lista, incluindo o filho mais novo de Yanukovych, Viktor Viktorovych. A medida dará às autoridades ucranianas algumas semanas a mais para fornecer evidências críveis contra os acusados. As sanções contra 14 pessoas da lista, incluindo o ex-presidente, deverão ser estendidas por um prazo adicional de 12 meses.

Os congelamentos dos ativos foi imposto em 5 de março de 2014, durante um período caótico na Ucrânia, depois que o ex-presidente fugiu do país no fim de fevereiro em meio a protestos em massa nas ruas. As proibições vencem depois de um ano.

Autoridades da União Europeia reconheceram que a decisão sobre as sanções foi tomada rapidamente depois da identificação de suspeitos por Kiev por medo de que os bens roubados fossem levados para fora do país quando o governo de Yanukovych caiu. As pessoas da lista deveriam ser investigadas na Ucrânia. No entanto, há meses tem havido uma crescente frustração entre os funcionários da UE que pressionam o governo ucraniano a apresentar provas claras contra parte dos suspeitos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
UEsançõesUcrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.