UE: governo de facto deve respeitar Zelaya e embaixada

A União Europeia pediu ao governo de facto de Honduras para que respeite a "integridade física" do presidente deposto Manuel Zelaya e a inviolabilidade da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. Em um comunicado divulgado em Bruxelas, a presidência da UE, atualmente ocupada pela Suécia, lançou o apoio do bloco europeu à declaração do Grupo do Rio de nações da América Latina e Caribe.

AE, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 20h12

"A presidência se alinha com a forte demanda da declaração pela garantia da inviolabilidade da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa", diz a nota. "A inviolabilidade das premissas diplomáticas é um princípio aceito universalmente das relações internacionais, codificada na convenção de Viena sobre relações diplomáticas de 1961, da qual Honduras é uma parte."

"A presidência se alinha com a demanda do Grupo do Rio para respeito da integridade física do presidente Zelaya, sua família e membros de seu governo", diz a nota.

Em harmonia com as nações do Grupo do Rio, a Suécia pediu uma imediata suspensão aos "atos de repressão e violação dos direitos humanos, para evitar o agravamento adicional da crise".

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.