Arquivo/EFE
Arquivo/EFE

UE inicia negociação sobre reintrodução de fronteiras interiores

França e Itália querem modificação no tratado Shengen para barrar onda de imigração do Norte da África

Efe

18 de julho de 2011 | 08h33

SOPOT - Os ministros de Interior europeus começam nesta segunda-feira, 18, as negociações para modificar o tratado de Schengen, que instaurou a liberdade de circulação na Europa, e permitir a volta temporária às fronteiras internas em casos excepcionais, como a chegada em massa de imigrantes.

 

França e Itália impulsionaram esta modificação por causa da onda de imigrantes procedentes do Norte da África nos últimos meses e os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) respaldaram a mudança em junho.

 

A Comissão Europeia (Executivo) apresentará uma proposta concreta a respeito em setembro e em sua elaboração levará em conta a opinião dos ministros europeus de Interior.

 

Países como Espanha e Polônia, que agora ocupa a Presidência rotativa da UE, são contrários à reintrodução de fronteiras e defendem que só se tome este tipo de medidas como último recurso e em situações absolutamente excepcionais nas quais não reste outro remédio.

 

As normas atuais de Schengen já preveem interrupções momentâneas da livre circulação, o que provocou uma série de ações individuais em cadeia como as de França e Dinamarca.

 

Atualmente fazem parte do espaço Schengen todos os países da UE salvo Reino Unido, República da Irlanda, Chipre, Romênia e Bulgária, embora se espere que os dois últimos entrem em breve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.