UE inicia negociações sobre adesão da Turquia

Os chanceleres dos 25 países membros da União Européia (UE) chegaram nesta segunda-feira a Luxemburgo para abrir as negociações para a adesão da Turquia ao bloco, depois de superar a oposição do Chipre, indicaram fontes européias.A UE concordou com a exigência do Chipre para que Ancara seja lembrada de sua obrigação de normalizar as relações com o governo cipriota. Nicósia, a capital do Chipre, concordou em revogar suas objeções à realização de discussões sobre ciência e tecnologia, abrindo caminho para as 35 rodadas de negociações. O ministro do Exterior da Turquia, Abdullah Gul, viajou para Luxemburgo para participar das conversas, informou o porta-voz do ministério, Namik Tan. As questões de ciência e tecnologia, vistas como diretas e não controversas, são as primeiras de 35 negociações que a Turquia deve concluir antes de poder se juntar à UE. O processo deve durar pelo menos 10 anos. União alfandegária Contudo, os cipriotas insistiram que antes do início das negociações, a UE deveria lembrar Ancara de suas obrigações de estender sua união alfandegária para que possa incluir o Chipre e nove outros estados-membros que se juntaram ao bloco em 2004. A Turquia havia assinado um acordo em julho do ano passado estendendo sua união alfandegária para incluir os dez novos membros da UE, mas ainda não implementou o acordo. A implementação permitiria que navios e aviões cipriotas utilizassem os portos e aeroportos turcos. O Chipre também insistiu que as negociações sobre ciência não poderiam ser realizadas em apenas um dia, alegando que a rápida conclusão do primeiro capítulo indicaria que o progresso da Turquia na UE estaria livre de problemas. Nicósia eventualmente concordou com um documento entregue à Turquia pela UE que reforça a posição do bloco sobre as conversas. "O não cumprimento (da Turquia) da implementação de suas obrigações completamente irá afetar o progresso geral das negociações", afirma o documento, salientando que a conclusão da primeira rodada é provisória. "Este comunicado satisfaz nossas exigências", disse o ministro do Exterior cipriota, George Iacovou. "A Turquia deve preencher todos os requisitos. Não há outra alternativa, acrescentou". Relações bilateraisNo começo do ano, o primeiro-ministro austríaco, Wolfgang Schuessel, disse que a UE pressionará Ancara a implementar a união alfandegária até dezembro. Contudo, o premier turco, Recep Tayyip Erdogan, reiterou nesta segunda-feira que a Turquia não abrirá seus portos e aeroportos para o Chipre até que o embargo sobre os turcos cipriotas seja suspenso. O Chipre é uma ilha dividida entre gregos, ao norte, e turcos, que ocupam o sul desde a invasão em 1974. Ancara não reconhece o governo greco-cipriota em Nicósia, mas apóia a independência do estado Turco-cipriota

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.