UE: Letônia vê dificuldades em negociação sobre Ucrânia

A iniciativa diplomática franco-alemã para resolver a crise na Ucrânia é uma medida bem-vinda, mas o processo deve ser complicado, afirmou neste sábado o ministro das Relações Exteriores da Letônia, Edgar Rinkevics. A Letônia detém a presidência rotativa da União Europeia.

AE, Estadão Conteúdo

07 de fevereiro de 2015 | 16h09

Rinkevics disse ter sido consultado sobre a mais recente iniciativa diplomática pelo ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank Walter Steinmeier, antes das conversações em Kiev e Moscou nos últimos dias. Segundo ele, o foco das conversas deve ser a implementação de qualquer acordo por parte da Rússia.

"Minha única preocupação seria não termos uma situação em que seguimos pressionando por novas propostas, novas ideias", disse Rinkevics ao The Wall Street Journal, nos bastidores da Conferência de Segurança de Munique. "Temos muitos bons documentos já assinados a partir de Genebra... E eles não foram implementados."

Depois de ouvir o que chamou de "retórica dura" do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em Munique, no sábado, ele ressaltou não ter "nenhuma ilusão de que o (...) processo de discussão (...) será fácil".

Rinkevics disse que não pode comentar os detalhes das propostas feitas pelo presidente da França, François Hollande, e pela chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em suas viagens na quinta-feira a Kiev e na sexta-feira a Moscou.

No entanto, ele se disse confiante de que, mesmo se as propostas oferecidas a Moscou contenham mais concessões em comparação com os acordos alcançados em Minsk em setembro, eles não deixarão a Ucrânia encurralada. "Eu sei que algumas propostas da Rússia foram rejeitadas pelo fórum da Normandia mesmo antes das conversações com Kiev e Moscou - então acredito que existem algumas linhas que não serão cruzadas."

O fórum da Normandia inclui Rússia, Ucrânia, França, Alemanha e os EUA e promoveu discussões no último verão do Hemisfério Norte. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.