UE, ONU e EUA fornecem alimentos à embaixada

O Itamaraty informou hoje, em Brasília, que o fornecimento de alimentos e remédios à Embaixada do Brasil em Tegucigalpa - onde estão abrigados o presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya e outras 100 pessoas -, foi regularizado, com ajuda de funcionários das Nações Unidas e diplomatas da União Europeia e dos Estados Unidos. Funcionários da Embaixada dos EUA também retiraram algumas pessoas que estavam na Embaixada do Brasil e as transferiu para a representação norte-americana na capital hondurenha.

JOÃO DOMINGOS, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 18h14

Segundo o Itamaraty, já estão totalmente restabelecidos os serviços telefônicos e de fornecimento de água e energia elétrica à Embaixada do Brasil. Os diplomatas brasileiros destacaram apenas a dificuldade em completar as ligações telefônicas.

Com base em relatos de diplomatas que estão na capital hondurenha, o Itamaraty espera que o governo local suspenda em breve o toque de recolher. Hoje, as autoridades interromperam momentaneamente a medida para permitir que as pessoas fossem às compras.

O Itamaraty pediu oficialmente a Zelaya que evite fazer declarações capazes de desencadear qualquer tipo de violência. A meta da diplomacia brasileira é conseguir do governo de Roberto Micheletti uma negociação pacífica e que o presidente de facto entenda que a presença de Zelaya em Honduras é uma realidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.