UE pede a Israel que respeite soberania libanesa

A União Européia (UE) pediu a Israel nesta terça-feira que respeite as fronteiras do Líbano. Ao mesmo tempo, diversos diplomatas europeus alertaram que a invasão do espaço aéreo libanês por aviões israelenses que promoveram simulações de ataque poderia encorajar outros governos estrangeiros a violarem a resolução do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) que em agosto decretou uma trégua entre Israel e o grupo guerrilheiro pró-iraniano Hezbollah depois de 34 dias de conflito.A resolução 1701 do CS da ONU, aprovada em 11 de agosto e implementada três dias depois, exige tanto de Israel quanto do Líbano o respeito à fronteira. Por esse motivo, as incursões aéreas israelenses são vistas como violações da medida."Queremos a resolução plenamente implementada", declarou Emma Udwin, porta-voz da UE. "Nós acreditamos que (o respeito à resolução) seja do interesse de Israel", prosseguiu.Apesar dos comentários, não houve reação formal por parte da UE, cujos países enviaram milhares de soldados para compor uma missão de paz expandida da ONU no sul do Líbano.Em Paris, o porta-voz da chancelaria francesa, Jean-Baptiste Mattei, qualificou os sobrevôos como violações da soberania libanesa e exigiu que Israel pare com essa prática."Pedimos a todos os nossos parceiros que evitem qualquer ação que mantenha ou aumente a tensão", declarou Mattei em entrevista coletiva de rotina concedida em Paris.Atitude contraproducenteSob condição de anonimato, diversos diplomatas europeus criticaram os efeitos da atitude israelense. Segundo eles, tal violação pode ser contraproducente, uma vez que encorajaria outros atores da região a serem menos cooperativos no que diz respeito à manutenção da paz no Oriente Médio.Alguns desses diplomatas comentaram que as contínuas violações israelenses da resolução 1701 do CS da ONU poderiam levar países como a Síria - acusada de ajudar o Hezbollah a ter acesso a armas - a desrespeitar a determinação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.