UE pede mais tempo para definir sanções à Síria

A Síria deve enfrentar um aumento da pressão por parte da União Europeia (UE) nos próximos dias, mas os Estados membros não conseguiram chegar, nesta terça-feira, a um acordo político sobre um novo pacote de sanções, segundo disseram vários diplomatas.

AE, Agência Estado

17 de julho de 2012 | 19h58

Os governos da UE deveria ter aprovado nesta terça-feira o congelamento de ativos e a proibição de viagem para 25 pessoas e duas entidades, além de obrigar os integrantes do bloco a revistar navios suspeitos de carregar armas para a Síria em águas internacionais.

Mas três diplomatas disseram que os Estados membros pediram um prazo até a manhã de quarta-feira para refletirem mais sobre a lista de pessoas. As fontes informaram também que não houve acordo sobre as inspeções nos navios.

De acordo com dois dos diplomatas, isso aconteceu porque um Estado membro se opôs ao regime de inspeções porque ele é muito mais fraco do que a proposta original feita no mês passado. Representantes dos integrantes da UE vão se reunir na manhã de quarta-feira para tentar chegar a um acordo, disseram as fontes.

Ministros de Relações Exteriores chegaram a Bruxelas na segunda-feira para discutir a situação síria e devem aprovar novas sanções. A chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, já declarou várias vezes que a Síria vai enfrentar novas sanções se a violência não chegar ao fim. As informações são da Associated Press e da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
SíriadiplomaciaUEsanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.