UE pode abandonar inglês como idioma oficial após saída britânica

A medida, simbólica porém pouco prática, pode reduzir ainda mais a influência de Londres no continente, e enfurecer os irlandeses

O Estado de S. Paulo

27 Junho 2016 | 20h20
Atualizado 06 Julho 2016 | 12h03

BRUXELAS - Inglês, a segunda língua mais falada no mundo e o principal idioma de trabalho de instituições da União Europeia (UE), pode não ser mais uma língua oficial da União Europeia quando o Reino Unido deixar o bloco, disse um parlamentar da UE nesta segunda-feira, 27.

A medida, simbólica porém pouco prática, pode reduzir ainda mais a influência de Londres no continente, e enfurecer os irlandeses. 

Cada Estado-membro tem o direito de nomear um idioma para a UE. Embora o inglês seja a língua mais falada na Europa, e uma língua oficial em três países-membros, apenas o Reino Unido a escolheu legalmente em Bruxelas. A Irlanda escolheu gaélico e Malta, o maltês. 

“Inglês é nossa língua oficial por ter sido notificada pelo Reino Unido. Se não tivermos o Reino Unido, não temos inglês”, disse Danuta Hubner, presidente do Comitê de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu em uma entrevista coletiva sobre as consequências legais do referendo britânico para deixar a UE. 

Inglês pode permanecer uma língua de trabalho, mesmo se não for mais oficial, disse Danuta, acrescentando que mantê-la com status oficial exigiria um consentimento de todos os Estados-membros.

Alternativamente, as regras podem ser alteradas para permitir que países tenham mais de uma língua oficial, segundo ela. / REUTERS  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.