UE prepara novas sanções contra Síria e mira indústria de armas

A União Europeia vai endurecer suas sanções sobre a indústria de armas da Síria e impedirá que mais autoridades sírias viagem para a Europa a fim de limitar o acesso do presidente sírio, Bashar al-Assad, a dinheiro em espécie, disseram diplomatas nesta quinta-feira.

Reuters

11 de outubro de 2012 | 21h38

As fontes garantiram que os governos da UE chegaram a um acordo preliminar sobre as medidas que tentam sufocar as necessidades de dinheiro de Assad para financiar seus militares que tentam conter uma revolta popular de mais de 18 meses contra o seu regime.

As novas sanções serão formalmente aprovadas em uma reunião de ministros de Relações Exteriores da UE em Luxemburgo na segunda-feira e terão como objetivo as companhias aéreas sírias, sua indústria de armas e o governo, segundo os diplomatas.

A decisão por novas sanções acontece no momento em que o Ocidente enfrenta problemas para encontrar uma solução para pôr fim à violência na Síria, ou formular sanções que poderiam ter um impacto significativo sobre o governo sírio e obrigá-lo a acabar com a violência contra os rebeldes.

Cerca de 30.000 pessoas morreram, segundo estimativas, em mais de 18 meses de enfrentamentos.

(Reportagem de Justyna Pawlak)

Tudo o que sabemos sobre:
UESIRIASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.