UE propõe entrada da Croácia no bloco em 2013

A Comissão Europeia concluiu as negociações para a adesão da Croácia à União Europeia (UE), abrindo caminho para o país ingressar na UE em julho de 2013. "A Comissão Europeia acaba de propor ao Conselho de Ministros da UE a conclusão das últimas quatro etapas nas negociações de acesso com a Croácia", anunciou hoje o presidente da comissão, José Manuel Barroso.

AE, Agência Estado

10 de junho de 2011 | 10h19

"Isso abre o caminho para a Croácia ingressar na UE como o 28.º Estado membro em 1.º de julho de 2013, se essa data indicativa proposta pela comissão for mantida pelo conselho", explicou Barroso em comunicado. A Comissão Europeia espera que os líderes europeus assinem um documento para concluir esse processo no encontro deles de 24 de junho. Barroso disse que o avanço croata é "sinal para o restante do sudeste europeu". "Isso mostra que a expansão funciona, que a UE é séria sobre seu compromisso", afirmou.

A Croácia precisa ainda negociar um rascunho de tratado de acesso com o bloco, que deve ser aprovado em referendo entre os croatas e ratificado por todos os 27 Estados membros da UE. A previsão é que esse processo leve em torno de dois anos.

Em Bruxelas, na Bélgica, o Comissário Europeu para a Expansão do bloco, Stefan Fuele, disse que a reta final para o acesso da Croácia incluirá monitoramentos adicionais em áreas do Judiciário e de direitos humanos - temas que mais causaram controvérsias entre as partes durante as negociações. Porém ele notou que esse monitoramento não continuará após a Croácia tornar-se um membro pleno.

Fuele disse acreditar que as reformas croatas agora são "irreversíveis" e se mostrou confiante de que os membros do bloco concordem a aprovem logo o acesso do país. O comissário também comentou que pode haver recomendações para que a UE comece as conversas para o acesso de outras nações dos Bálcãs ainda em 2011. Entre elas estaria a Macedônia, ex-membro da Iugoslávia. O país teve eleições "boas e bem-sucedidas" neste ano, na opinião de Fuele.

A Sérvia está entre as outras nações balcânicas que desejam iniciar o diálogo para ser parte da UE. Líderes sérvios esperam que a prisão e a extradição do general Ratko Mladic, suspeito de várias atrocidades na Guerra da Bósnia (1992-5), ajude na campanha do país para integrar o bloco europeu. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.