UE propõe restringir bônus pagos a executivos de bancos

Novas regras fazem parte de pacote que visa desestimular setor financeiro a assumir riscos excessivos.

BBC Brasil, BBC

30 de junho de 2010 | 15h33

Representantes dos países da União Europeia chegaram nesta quarta-feira a um acordo para a adoção de novas regras que limitam o pagamento de grandes gratificações dos bancos a seus executivos - uma prática bastante contestada após a crise financeira global em 2008.

As mudanças fazem parte de um pacote que busca desestimular o setor financeiro a assumir riscos excessivos e que ainda terá que ser aprovado pelo Parlamento Europeu - embora isso seja dado como certo por analistas.

Segundo as novas diretrizes, os banqueiros vão passar a receber adiantado apenas 30% de seus bônus anuais.

O resto será depositado e pago depois, dependendo do desempenho da empresa nos próximos meses e anos.

Além disso, vão ser pagos adiantado apenas 20% dos abonos considerados particularmente grandes.

Pelo menos 50% das gratificações terão que ser pagos em ações, não em dinheiro vivo.

Os bancos também vão ser obrigados a guardar, a partir de 2012, um montante para garantir suas operações mais arriscadas.

Os legisladores que apresentaram a proposta dizem que as mudanças buscam fazer os banqueiros pensarem duras vezes antes de assumirem riscos como os que estremeceram muitas economias europeias após a crise financeira.

A lei deve ser votada pelo Parlamento na próxima quarta-feira e, se aprovada deve entrar em vigor no bloco no início de 2011.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
bônuseconomiaunião europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.