UE quer ação conjunta para combater imigração ilegal

Ministros de Justiça e do Interior da União Européia (UE), reunidos em Luxemburgo, aprovaram hoje o esboço de um plano contra a imigração ilegal e que prevê uma gestão conjunta nas fronteiras comunitárias. O projeto será agora apresentado para aprovação durante a cúpula de líderes da UE em Sevilha, marcada para a próxima semana. A reunião tratará precisamente da preparação de novas medidas para controlar a entrada de imigrantes ilegais que diariamente cruzam as fronteiras da UE em busca de trabalho e de uma vida melhor.Ao mesmo tempo, os ministros insistiram na questão de que o mercado de trabalho dos países da UE continuará aberto aos imigrantes legais e às pessoas que buscam por um genuíno asilo político. "Não estamos falando de uma fortaleza européia", disse o secretário do Interior da Grã-Bretanha, David Blunkett.Paralelamente às medidas que buscam dificultar a imigração, os ministros defenderam também planos de ajuda aos países da UE que se encontram na linha de frente do influxo de imigrantes ilegais, principalmente a Itália, Espanha e Grécia. Estes países recebem uma grande quantidade de pessoas que cruzam o Mar Mediterrânea provenientes da África, dos Bálcãs, da Ásia e do Oriente Médio.Neste sentido, o esboço prevê, entre outras coisas, uma divisão dos custos com o controle da onda de imigrantes, principalmente com navios e aviões, que são utilizados na interceptação de embarcações que transportam clandestinos.Os ministros também acrescentaram em seu projeto incentivos a países que ajudem a evitar que seus cidadãos partam para a Europa de forma ilegal ou que facilitem o retorno daqueles deportados. Por outro lado, dentro desta mesma proposta, os países da UE ficaram divididos na opção de aplicar sanções aos países pobres que não cooperarem.França e Suécia lideraram a oposição a medidas duras, que foram defendidas principalmente pela Itália e Espanha. Cerca de 500 mil imigrantes ilegais entram na União Européia a cada ano, em adição às cerca de 400 mil pessoas que pedem asilo político.Embora muitas nações já tenham adotado medidas para endurecer suas leis de imigração, os países da UE acreditam na necessidade de uma ação conjunta, já que a abolição dos controles de fronteiras dentro do bloco significa que um imigrante ilegal que conseguir entrar em um dos países pode facilmente viajar para outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.