UE quer uma maior cooperação em pesquisa com a Asean

A comissária européia para Sociedade da Informação e Veículos, Viviane Reding, pediu nesta segunda-feira que se aumente a cooperação entre a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) e a União Européia (UE) na área de pesquisa.A comissária defendeu um aumento no número de projetos de pesquisa entre as duas regiões e um diálogo aberto para regulamentar e facilitar o acesso ao mercado no setor das Tecnologias da Comunicação e Informação (TCI).Reding, que abriu em Cingapura o fórum de tecnologias da informação e comunicação "EUSEA 2006" entre a União Européia (UE) e a Asean, explicou a proposta em entrevista coletiva fornecida após a abertura do evento.A comissária também pediu uma maior reciprocidade no tratamento dos empresários das duas regiões."Muitas companhias européias querem investir na região, mas diversas legislações do sudeste asiático não permitem esse investimento, enquanto na UE as companhias estrangeiras não encontram esses impedimentos porque é um mercado completamente livre, o que leva as empresas européias a pedir reciprocidade".Neste sentido, a comissária identificou Cingapura "como um exemplo de acesso ao mercado a ser seguido", enquanto a Tailândia é o outro extremo, e "entre eles está o resto dos países da região".Para conseguir um melhor entendimento, Reding convidou os reguladores asiáticos a participar da conferência de Tecnologia da Sociedade da Informação que acontecerá em Helsink em novembro.O evento, além de consolidar os resultados de "EUSEA 2006", também pode ser "favorável para que os reguladores asiáticos se encontrem com os europeus".Reding aproveitará sua estadia na cidade-estado para se reunir com representantes da Asean, membros do Governo de Cingapura e diversas agências governamentais.A comissária discutirá com eles sobre instrumentos concretos para promover mercados de comunicação abertos e competitivos, cooperação na pesquisa do TCI e a iniciativa "i2010".A iniciativa pretende incentivar o desenvolvimento da economia digital através de instrumentos de regulamento e da pesquisa e associação com a indústria.O fórum de dois dias, financiado pela UE e organizado com a ajuda da Asean, reúne delegados de mais de 35 países que abordarão temas como o marco regulador de telecomunicações, inclusão na internet, redes de educação e pesquisa avançada, TCI para desastres naturais ou televisão móvel.A Asean, que reúne um território de 4,5 milhões de quilômetros quadrados e ao redor de 500 milhões de habitantes, é formada por Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar (Birmânia), Cingapura, Tailândia e Vietnã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.