UE reconhece fracasso diplomático na crise do Iraque

O chefe da política européia de Relações Exteriores e Defesa Comum (PESC), Javier Solana, reconheceu nesta terça-feira, durante o Conselho de ministros europeus de Relações Exteriores, "ao fazer uma análise mais ampla sobre acrise no Iraque", que a Europa "teve um fracasso diplomático e isto gera frustração". Indagado sobre os riscos de uma cisão ainda maior nobloco europeu ao confirmar a cúpula de líderes europeus napróxima quinta-feira, em Bruxelas, Solana disse que a imagem de "desunião" do momento "é um problema menor". "Não se trata de dar mensagens de união ou desunião, todos sabem onde estamos no momento e o que temos que fazer é, a partir desta situação, reconstruir a unidade de pensamento, de reflexão e de evaliação", reiterou Solana.O chanceler comunitário disse que gostaria de ter vistoum consenso mais amplo no âmbito das Nações Unidas. "Não foi possível", afirma. Por isso, "a única opção que resta no momento é pedir que tudo se faça com o maior cuidado para que não haja sofrimentos desnecessários", expressou.Solana encerrou a coletiva reiterando a importância de um consenso comunitário para a "paz no mundo". A crise noIraque colocou em cheque a unidade do bloco, mas ele espera que esta "crise faça uma UE mais unida, disposta a encontrar posições comuns e continuar trabalhando pela política exterior de defesa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.