UE rompe com EUA sobre questão do Oriente Médio

A União Européia rompeu hoje com os Estados Unidos ao apoiar um plano francês de paz para o Oriente Médio, que propõe, entre outros pontos, a celebração de eleições palestinas e a criação de um Estado dessa nacionalidade que seria reconhecido de imediato por Israel e admitido nas Nações Unidas. A criação do Estado palestino seria "o início de um processo negociador" para um acordo de paz, disse o chanceler francês, Hubert Vedrine, durante um encontro de ministros das Relações Exteriores europeus que está sendo realizado na cidade espanhola de Caceres. O chanceler espanhol, Josep Pique, presidente da reunião, afirmou que o plano seria desenvolvido durante as conversações entre os 15 chanceleres da UE em uma cúpula européia marcada para março em Barcelona. A proposta francesa amplia as divergências entre a UE e os Estados Unidos a respeito do Oriente Médio. Washington vem causando mal-estar em diversas capitais européias com sua atitude de não intervir na questão das conversações de paz do Oriente Médio e com uma política que muitos europeus interpretam como favorável a Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.