UE se reunirá para debater Gaza, Iraque e Ucrânia

Reino Unido, França e Alemanha apresentaram recentemente propostas para dar à União Europeia um papel mais decisivo no apoio à segurança em Gaza

Estadão Conteúdo

08 de agosto de 2014 | 19h01

Embaixadores da União Europeia vão se reunir na próxima quinta-feira e devem discutir assuntos como o papel que o bloco pode exercer na Faixa de Gaza quando um cessar-fogo estiver estabelecido, disseram agentes da UE nesta sexta-feira. Os diplomatas vão debater também os últimos acontecimentos no leste da Ucrânia e o avanço da crise no Iraque.

"Qualquer iniciativa [nas próximas semanas] dependerá da situação na área", afirmou um oficial do bloco. Os ministros das Relações Exteriores dos países membros da UE, por sua vez, provavelmente vão discutir os conflitos no Oriente Médio durante uma reunião informal a ser realizada na Itália, no final de agosto.

Reino Unido, França e Alemanha apresentaram recentemente propostas para dar à União Europeia um papel mais decisivo no apoio à segurança em Gaza, no controle da situação dos civis e na recuperação da economia palestina. Franceses e alemães sugeriram que a Organização das Nações Unidas (ONU) envie uma missão para monitorar as tréguas entre Israel e os militantes do Hamas. Os membros europeus, dessa forma, poderiam ter um papel importante na missão.

Os países também pedem a reabertura da Missão Europeia de Assistência à Fronteira no posto de controle de Rafah, que foi encerrada oficialmente quando o Hamas tomou o poder na faixa de Gaza, em 2007. O projeto foi lançado em 2005 para monitorar operações nas fronteiras entre Gaza e o Egito.

No documento publicado, França e Alemanha também sugerem medidas para facilitar o movimento de pessoas e bens entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, além de propor ações que ajudariam os palestinos a desenvolver seus setores agrícolas e de pesca. Os países aconselham o envio de uma missão de treinamento policial da União Europeia que hoje trabalha na Cisjordânia para a Faixa de Gaza.

"Se um cessar-fogo for estabelecido e um envolvimento substancial da União Europeia for necessário para mantê-lo de pé, eu tenho certeza que as pessoas vão querer prestar atenção a isso", disse um agente de alto escalão da UE.

O Reino Unido fez circular um texto recomendando uma investigação internacional e o envio de uma missão de monitoramento a Gaza para impedir que o Hamas se rearme e prepare novos ataques de mísseis, além de assegurar que Israel gradualmente amenize as restrições de acesso à região. A proposta britânica afirma que a Autoridade Palestina deveria estar envolvida nos acordos de cessar-fogo e deveria ter uma presença constante nas fronteiras da Faixa de Gaza.

O documento também pede medidas para permitir o fluxo de exportações de Gaza para Israel e outros países vizinhos, além de possibilitar as transferências comerciais entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Os britânicos querem que a União Europeia trabalhe em conjunto com a Autoridade Palestina para reabrir as fronteiras na região. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
União EuropeiaGazaIraqueUcrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.