UE tentará negociar com o Irã e evitar colapso palestino

Os ministros de Assuntos Exteriores da União Européia (UE) se reunirão nesta segunda-feira com a dupla tarefa de evitar o colapso financeiro da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e fazer com que o Irã volte à mesa de negociações sobre seu programa nuclear.Em duas importantes reuniões do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Quarteto para o Oriente Médio - UE, Estados Unidos, Rússia e ONU - realizadas na semana passada em Nova York, a UE reafirmou sua vontade de resolver as duas crises pela via diplomática.O conselho de ministros será uma oportunidade para trocar idéias sobre como articular um mecanismo temporário para canalizar ajuda aos palestinos sem passar pelo governo da ANP, controlado pelo grupo islâmico radical Hamas, que a comunidade internacional boicota por sua recusa em abdicar da violência, reconhecer Israel e aceitar os acordos de paz de Oslo de 1993.A Comissão Européia trabalha para desenvolver este mecanismo e organizará nas próximas semanas uma conferência de doadores e instituições financeiras para poder atender às necessidades básicas dos palestinos.Suspensão A UE suspendeu seu apoio financeiro ao governo, mas manteve a ajuda humanitária. Devido ao boicote ao Hamas, a ANP não paga há dois meses seus 165 mil funcionários, de quem depende um quarto da população.No entanto, a chave será convencer Israel a fazer uso desta fórmula para desbloquear os US$ 50 milhões que retém a cada mês em impostos em nome dos palestinos, sem os quais a ANP - que necessita de cerca de US$ 120 milhões mensais para pagar salários - não pode funcionar.Embora os detalhes dos incentivos não sejam conhecidos, a UE oferecerá "apoio ao desenvolvimento de um programa nuclear civil iraniano seguro e sustentável", enquanto Teerã tenta convencer que suas intenções são pacíficas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.