UE vai impor novas sanções à Rússia amanhã

Após longas discussões, o conselho decidiu aplicar as punições ao país mesmo após o cessar-fogo

Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2014 | 08h49

A União Europeia vai implementar um novo pacote de sanções contra a Rússia nesta sexta-feira, segundo diplomatas, numa decisão que encerra vários dias de um impasse sobre a adoção ou não de novas restrições a Moscou.

A UE fechou um acordo sobre as sanções na última segunda-feira, mas adiou sua implementação na expectativa de que a Rússia se mobilizaria para diminuir as tensões no leste da Ucrânia.

Após longas discussões sobre o assunto, autoridades da UE decidiram aplicar as sanções, apesar de um acordo de cessar-fogo em vigor entre russos e ucranianos estar sendo aparentemente respeitado.

Segundo alguns dos diplomatas, porém, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, vai encaminhar mais tarde uma carta a líderes da UE ressaltando que o bloco está disposto a reverter as sanções rapidamente se a Rússia agir no sentido de chegar a uma solução política.

As novas sanções, que não mudaram em relação ao que foi anunciado no começo da semana, ampliam o número de empresas russas que não poderão levantar novos recursos nos mercados de capitais da UE, segundo documentos aos quais o The Wall Street Journal teve acesso.

Três estatais do setor petrolífero - Gazpromneft, Transneft e Rosneft - não poderão levantar capital novo com vencimento de mais de 30 dias. Além disso, empresas ligadas à produção militar - Oboronprom, United Aircraft Corp. e Uralvagonzavod - serão barradas dos mercados europeus.

O bloco também vai proibir viagens e congelar ativos de mais 24 indivíduos, incluindo pessoas ligadas a rebeldes separatistas no leste ucraniano e a autoridades e oligarcas russos. Além disso, empresas europeias não poderão fornecer serviços para projetos de exploração de petróleo e de gás de xisto na Rússia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UERússiasanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.