UE vai manter negociações para adesão da Turquia

A União Europeia (UE) concordou em avançar nas conversações para a adesão da Turquia ao bloco, embora as negociações tenham sido adiadas, informou nesta terça-feira a presidência da UE, atualmente ocupada pela Irlanda.

Agência Estado

25 de junho de 2013 | 10h14

O acordo, que foi fechado após uma série de conversações entre a Turquia e os principais governos do bloco, vai permitir que a UE abra um novo capítulo nas negociações de adesão da Turquia, o primeiro avanço neste sentido em três anos.

O atraso nas conversas mostra as preocupações dos Estados membros, especialmente Alemanha, Áustria e Holanda, sobre a recente repressão aos manifestantes ordenada pelo governo do primeiro-ministro Recip Tayyep Erdogan. As negociações estavam marcadas para começar na quarta-feira.

"O Conselho concordou em abrir o capítulo 22 e ressalta que" as conversações "com a Turquia acontecerão após a apresentação do relatório anual de progresso da Comissão Europeia", que deve acontecer em meados de outubro, informou a presidência.

A data exata das negociações será decidida por ministros do bloco em outubro. O parágrafo 22 trata de questões de política regional.

O ministro de Relações Exteriores da Suécia, Carl Bildt, disse aos jornalistas que a decisão desta terça-feira vai permitir que a Europa "aprofunde o diálogo com a Turquia...sobre diferentes temas".

"Eu acho que o importante é tomar a decisão de abrir o capítulo. Esse é o sinal político de que a porta está aberta", afirmou Bildt. "Nós queremos dar este novo passo", acrescentou ele. "Um novo capítulo que não havia sido aberto por algum tempo."

O governo turco saudou a decisão. "Para nós, o que é importante é fazer com que a UE abra o capítulo durante a presidência da Irlanda porque, de outra forma, não poderíamos avançar", disse um funcionário do Ministério de Relações Exteriores turco. "Inicialmente, a Alemanha se recusou a abrir um novo capítulo, mas agora quer apenas adiar sua execução. Esse é um acontecimento positivo que acontece após as conversas entre Davutoglu e Westerwelle nos últimos três dias. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UETurquiaadesão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.