Uganda e Zimbábue retiram tropas do Congo

Uganda e Zimbábue começaram a cumprir a prometida retirada de tropas do Congo, confirmaram as Nações Unidas nesta quarta-feira, no que constitui um passo concreto em direção ao fim de uma guerra de quatro anos envolvendo seis países. As duas nações em retirada - inimigas que se colocaram em lados opostos na guerra do Congo - já removeram centenas de soldados nos últimos dias, informou o porta-voz da missão da ONU, Hamadoun Touré, falando de Kinshasa, a dividida capital congolesa. "Esperamos que todas as partes envolvidas façam o mesmo. Temos muita esperança de que dentro de pouco tempo a presença militar estrangeira não seja mais do que uma lembrança", disse Touré. Na terça-feira, Uganda retirou 242 dos estimados 2.000 soldados no Congo da cidade de Beni, em uma zona rebelde no nordeste do território congolês. Mais soldados ugandenses deixaram a cidade de Gbadolite, no norte do país. Do oeste do Congo, onde predominam os aliados do governo o Zimbábue retirou, ao mesmo tempo, centenas de soldados, disse Touré. Estima-se em 12.000 o número de tropas zimbabuanas no Congo. As autoridades das Nações Unidas tentarão determinar o número preciso de militares que estão sendo retirados, afirmou o porta-voz da organização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.