Uganda quer recompensa por deter suspeito de genocídio

O governo de Uganda pretende reivindicar a recompensa de US$ 5 milhões oferecida pelos Estados Unidos pela captura de Idelphonse Nizeyimana, suspeito de participação no genocídio ocorrido em Ruanda em 1994. O dinheiro oferecido pelo governo norte-americano faz parte de um programa para incentivar a perseguição a suspeitos de terrorismo e de crimes contra a humanidade. Isaac Musumba, ministro do governo ugandense, disse hoje em Kampala que seu país gostaria de receber a recompensa oferecida pela captura.

AE-AP, Agencia Estado

08 de outubro de 2009 | 12h33

Nizeyimana foi preso na segunda-feira na capital de Uganda e será julgado por um tribunal patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ele é suspeito de orquestrar o massacre de milhares de pessoas durante o genocídio de 1994, entre elas crianças, enfermos, clérigos, idosos e a venerada rainha tutsi. Estima-se que entre 500 mil e 800 mil tutsis e hutus moderados tenham sido mortos durante os cerca de cem dias de carnificina.

Tudo o que sabemos sobre:
UgandarecompensagenocídioRuanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.