Uigures contestam dados sobre mortos em conflitos

China afirmou que a maior parte dos 184 mortos nos conflitos desta semana era da etnia majoritária han

AE-AP,

11 de julho de 2009 | 15h12

A China afirmou que a maior parte dos 184 mortos nos conflitos desta semana na região de Xinjiang, no Oeste do país, era da etnia majoritária han. O anúncio levantou suspeitas entre os muçulmanos da etnia uigur de que muito mais integrantes dessa comunidade tenham morrido. A China elevou hoje o número de mortos nos distúrbios, que estava calculado em 156 até sexta-feira, 10.

  

Veja também:

lista Entenda: Xinjiang, área de maioria muçulmana que incomoda Pequim

Ao identificar a etnia dos mortos pela primeira vez desde os conflitos de domingo passado, a agência de notícias estatal Xinhua afirmou, citando autoridades provinciais, que 137 vítimas eram da etnia han enquanto 46 eram uigures e um era da etnia hui, outro grupo chinês muçulmano.

Cidadãos uigures espalhados pelas ruas da capital de Xinjiang, Urumqi, e grupos ativistas contestaram os números, citando rumores persistentes de que forças de segurança atiraram contra os uigures nos protestos de domingo e nos dias subsequentes. "Ouvi que mais de 100 uigures morreram, mas ninguém quer falar sobre isso em público", disse um homem que não quis dar seu nome porque a cidade permanece tensa e as forças de segurança estão por toda a parte.

Quase uma semana depois dos distúrbios, autoridades ainda precisam divulgar detalhes importantes sobre os conflitos e sobre o que aconteceu nos dias seguintes. Ainda não está claro quanta força a polícia usou para impor a ordem na região.

A violência de domingo passado ocorreu após um protesto contra as mortes de trabalhadores uigures em um motim no sul da China em junho. A multidão se espalhou por Urumqi, atacando chineses da etnia han, colocando fogo em carros e quebrando janelas.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinauigurhanXinjiang

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.