Ulemás do Iêmen proíbem o uso da força contra manifestantes

Clérigos sunitas e zaiditas xiitas pedem o fim das prisões arbitrárias e tortura

Estadão.com.br

21 de fevereiro de 2011 | 10h38

Manifestantes entram no 11º dia de protestos contra o regime de Saleh. Foto: Muhammed Muheisen/AP

   

 

SANÁ - Os ulemás do Iêmen proibiram o uso a força contra os manifestantes e condenaram as prisões arbitrárias e tortura, em um comunicado divulgado nesta segunda-feira, 21, após um reunião entre os clérigos muçulmanos, segundo informações da AFP.

 

"Qualquer agressão contra os manifestantes é um crime", disseram os ulemás sunitas e os zaiditas (ramo do xiismo predominante no norte do Iêmen), que também condenaram os ataques contra as forças de segurança.

 

A reunião extraordinária dos ulemás foi conduzida pelo xeque Abdelmajid Zendani, acusado pelos Estados Unidos de de apoio ao "terrorismo global" por seus pressupostos vínculos com a rede islâmica Al-Qaeda. Os ulemás também pediram a proibição das "detenções arbitrárias e da tortura".

 

Os partidários do regime do presidente Ali Abdalá Saleh têm entrado em confronto desde sábado com os manifestantes que exigem a renúncia de Saleh. Em Áden, no sul do país, 12 pessoas morreram durante a repressão aos protestos na última semana.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenprotestosulemászaiditasSaleh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.