Última a saber foi a mulher do padre

Uma colombiana residente na Espanha teve uma desagradável surpresa ao apresentar uma ação de divórcio, acusando o marido de maus tratos. Sandra Vega Martínez, de 33 anos, descobriu simplesmente que o homem com quem foi casada por cinco anos - depois de dois de namoro - não era "um próspero homem de negócios", como fazia questão de dizer, mas o padre Jorge Barange. Aparentemente, informa o jornal El Mundo, que revelou a insólita descoberta no domingo, o padre Barange, que foi ordenado sacerdote na cidade de Benidorm, no leste da Espanha, "celebrava missas enquanto sua mulher esperava pacientemente em casa, acreditando que ele estava de viagem em Barcelona, a negócios". Barange e Sandra se conheceram sete anos atrás, na Colômbia, e tiveram um filho, Jorge Manuel, em 1997, em Bogotá. Mas a complicada situação política e econômica do país forçou o casal a se mudar para Benidorm, na Espanha, com o pequeno Jorge e um filho do casamento anterior de Sandra. Não tardou muito e começaram os problemas entre o casal. Depois de vender a casa na qual vivia com a família, Barange acabou abandonando-a e desapareceu. Sacerdote celebrava até no Caribe Sandra decidiu então procurar os pais do marido, em Barcelona, com o intuito de localizá-lo. A mãe de Barange confirmou que ele havia sido ordenado sacerdote, fato que a própria Sandra confirmou depois de fazer uma investigação na diocese da província de Alicante, à qual pertence a pequena cidade de Benidorm. Ao ser ouvida pelo El Mundo, Sandra assegurou que soube que seu marido casou vários familiares. "Quando ele dizia para mim que ia viajar a negócios para Cuba ou para Roma, ia de fato exercer seu ministério. Pelo que sei, ele celebrou missas em Aruba (Caribe), Roma (Itália), Benidorm e, claro, em Barcelona", contou, desiludida. Residente em Madri, a ex-mulher do padre decidiu entrar com uma ação judicial contra o sacerdote Barange, a quem denunciou por maus tratos. Dias atrás, Barange pagou a primeira parcela da pensão alimentícia estabelecida pelo juiz para Jorge, o filho do casal.

Agencia Estado,

17 Dezembro 2002 | 10h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.