Ultradireitista Le Pen tenta atrair eleitores judeus na França

O líder ultradireitista francês Jean-Marie Le Pen, que já chamou o Holocausto de um detalhe da história, tentou nesta quinta-feira, 19, atrair votos de eleitores judeus para as eleições presidenciais de domingo. Le Pen, 78, surpreendeu a França em 2002 ao conquistar o segundo lugar nas eleições para presidente. Na campanha atual, ele disse que não há um "voto judaico" reconhecível no país. Seu adversário, Nicolas Sarkozy, é de família judia. "Os judeus da França estão divididos entre os candidatos", disse ele numa entrevista ao jornal israelense Maariv, publicado em hebraico. "Os judeus que são franceses e que são ligados à França, cujos interesses são os interesses da França, definitivamente deveriam votar em mim", disse Le Pen. "Não nego que o Holocausto tenha acontecido. Só disse que as câmaras de gás eram um detalhe da história da Segunda Guerra Mundial. Isso não deveria causar revolta", afirmou, sobre a polêmica declaração que deu em 1987. Le Pen ocupa o quarto lugar nas pesquisas de opinião, mas disputa os eleitores de Sarkozy, que é o líder. Os dois candidatos mais votados vão para o segundo turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.