Ultranacionalistas entram no novo governo de Israel

O partido ultranacionalista União Nacional aceitou nesta terça-feira participar do novo governo do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, informou a imprensa local, dando à nova equipe um tom decididamente rígido no trato com os palestinos. Shmuel Dahan, porta-voz do Partido Likud, de Sharon, ressaltou que o acordo ainda não foi finalizado, mas sua aprovação definitiva é esperada para a noite de hoje.O novo governo de Sharon conta com as adesões do Partido Nacional Religioso (PNR), que defende a expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, e o leigo Shinui, que se concentra em questões internas, principalmente na luta pelo fim dos privilégios da minoria composta pelos judeus ultraortodoxos.A União Nacional conta com membros que defendem a expulsão de todos os palestinos da Cisjordânia e da Faixa de Gaza e a anexação dos territórios a Israel. Os líderes do partido já pediram mais de uma vez a derrubada ou até mesmo o assassinato do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat.Apesar de Sharon insistir estar pronto para "concessões dolorosas" em troca de uma paz verdadeira e duradoura com os palestinos e aceitar a criação de "alguma forma de Estado palestino em algum momento no futuro", a composição de seu novo governo torna improvável o engajamento de Tel-Aviv em alguma iniciativa contundente pela paz.O Likud venceu as eleições gerais de janeiro, nas quais obteve 40 das 120 cadeiras do Knesset (Parlamento). Com a adesão da União Nacional ao bloco governista, sua coalizão conta agora com maioria de 68 cadeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.