Arquivo/AP
Arquivo/AP

Um ano após morte de Kadafi, saiba o que aconteceu com sua família

Captura e assassinato do líder que governou a Líbia por quatro décadas completa um ano neste sábado

BBC Brasil, BBC

20 de outubro de 2012 | 12h42

TRÍPOLI - Exatamente um ano depois da captura e violenta morte do líder líbio Muamar Kadafi, o que aconteceu com seus demais familiares? Três dos seus filhos morreram na revolta líbia, incluindo o ex-assessor nacional de segurança, Mutassim Kadafi, que foi capturado no mesmo dia em que seu pai.

Veja também:

tabela ESPECIAL: Líbia sem Kadafi

Os que sobreviveram tiveram sortes muito distintas desde o decisivo dia 20 de outubro de 2011. A viúva do ex-líder líbio exilou-se na Argélia. Já o filho que era tido como seu sucessor, Saif al-Islam, está aguardando julgamento em uma prisão líbia.

Confira abaixo o que aconteceu com cada um de seus parentes mais próximos.

Safiya Kadafi (esposa)

Safiya Farkash, mãe de sete dos oito filhos biológicos de Kadafi, passou o último ano na Argélia, depois de pedir exílio por "razões humanitárias". Junto com sua filha Aisha e Muhammad - filho de Kadafi com sua primeira esposa - ela chegou à Argélia no dia 29 de agosto do ano passado, quando rebeldes tomavam o controle de Trípoli.

Ela está morando em uma residência altamente fortificada na cidade de Staoueli, próxima à capital. Ela tem ordens rígidas do governo argelino de não se pronunciar publicamente sobre assuntos líbios.

Muhammad Kadafi (filho)

Se a revolta tivesse terminado de outra forma, Muhammad provavelmente teria passado os últimos meses em Londres, acompanhando os Jogos Olímpicos de 2012, já que ele era o diretor do comitê olímpico líbio. No entanto, o filho mais velho de Kadafi passou mais de um ano na Argélia, depois de fugir dos insurgentes que tomaram Trípoli.

Filho de Fathia, a primeira esposa do Coronel Kadafi, ele também era diretor da empresa de telefones celulares do país e da rede de comunicações por satélite. Ele não foi indiciado pelo Tribunal Penal Internacional e não é considerado uma figura de expressão no movimento que tentou derrotar os insurgentes.

Saif al-Islam Kadafi (filho)

Antes tido como sucessor de Kadafi, Saif Al-Islam foi capturado um mês depois da morte de seu pai, e desde então é mantido como prisioneiro na cidade de Zintan, em uma região montanhosa do país. Formado pela London School of Economics, ele é foco principal de uma batalha jurídica entre o Tribunal Penal Internacional - que o acusa de crimes contra a humanidade - e a Justiça líbia - que quer julgá-lo dentro do país.

O poder judiciário líbio parece ter vencido essa batalha, mas a data do julgamento ainda não foi marcada. Foi noticiado que uma prisão moderna - com quadra de basquete e cozinha especial - foi montada para Saif al-Islam em Trípoli.

Saadi Kadafi (filho)

Saadi Kadafi, ex-diretor da Federação Líbia de Futebol e das Forças Especiais da Líbia, recebeu asilo político no Niger, onde está morando em uma residência do governo em Niamey. Saadi fugiu da Líbia pelo deserto do Saara.

Ele ficou famoso por seu estilo de vida de playboy e por sua curta carreira de jogador, atuando na Série A italiana. No entanto, ele foi pego em um caso de doping. O Niger recusou os pedidos feitos pela Líbia de extradição de Saadi. O ministro da Justiça do país disse que Saadi "certamente seria condenado à morte" na Líbia.

Em setembro, a Interpol fez um "alerta vermelho", que obrigaria países que apoiam a polícia internacional a prender Saadi. No ano passado, o México disse ter descoberto um plano para fazer com que Saadi viajasse ao país usando um nome falso.

Hannibal Kadafi (filho)

Hannibal é o quinto filho de Muamar Kadafi com Safiya. Ele teria fugido junto com a mãe para a Argélia, no ano passado. Antes disso, ele combateu os rebeldes na cidade de Gharyan, ao sul da capital.

Ex-marinheiro, Hannibal era o principal consultor do comitê de administração de uma empresa estatal de transporte marítimo. Ele ficou famoso no país por sua vida de playboy, e por diversos escândalos. Em Paris, ele foi preso por dirigir bêbado um Porsche na Champs-Elysees.

Ele também provocou um incidente diplomático com a Suíça, depois de agredir dois funcionários de um hotel no país. Como resposta, dois empresários suíços foram presos por Kadafi na Líbia, em represália.

Aisha Kadafi (filha)

Aisha Kadafi, a única filha biológica de Muamar, recebeu asilo político na Argélia, junto com sua mãe e irmão. Três dias depois de chegar ao país, ela deu à luz uma filha, a quem deu o nome de Safiya, em homenagem à sua mãe.

Apesar de viver sob constante observação de forças de segurança argelinas, que querem evitar que ela faça declarações políticas, Aisha tem convocado os líbios a se rebelarem contra o novo governo, através de um canal de televisão sírio.

Ela também contratou um advogado israelense, Nick Kaufman, para pedir que o Tribunal Penal Internacional investigue a morte de seu pai. A imprensa líbia noticiou que em uma partida recente de futebol, Aisha torceu pela Argélia contra a Líbia, dizendo que a seleção de seu país natal "não a representa".

Hanaa Kadafi (filha adotiva)

Kadafi manteve por anos a versão de que sua filha adotiva Hanaa havia sido morta por um ataque aéreo em 1986, quando tinha apenas 18 meses. No entanto, desde a revolução do ano passado, há cada vez mais indícios de que Hanaa está viva. Mas pouco se sabe sobre sua situação atual.

Imagens de arquivo mostravam Hanaa brincando com o pai e irmãos anos depois do ataque aéreo. Documentos encontrados na residência de Kadafi, em Bab al-Aziziyah, incluem histórico médico e até mesmo um certificado do Consulado Britânico no nome de Hanaa Muamar Kadafi.

Fontes anônimas disseram à imprensa líbia que Hanaa é formada em medicina e trabalhou no Centro Médico de Trípoli por vários anos.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaMuamar Kadafium ano da morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.